“CRÉDITO AMBIENTAL” PORTUGUÊS ACIONADO CADA VEZ MAIS CEDO

Não é novidade que a palavra sustentabilidade tem vindo a ser cada vez mais urgente, com o passar dos anos e do (elevado) consumismo. Mas, se para alguns ainda se comporta como novidade, a ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável – tem tido um papel fundamental na reminiscência deste tema.

Hoje, Portugal aciona o “Crédito Ambiental”, o que significa que passamos a usar, treze dias mais cedo do que no ano passado, os recursos naturais previstos para utilização apenas a partir do dia 1 de janeiro de 2022.

Em parceria com a Global Footprint Network, a ZERO alerta que se “cada pessoa no Planeta vivesse como uma pessoa média portuguesa, a humanidade exigiria mais de 2 planetas para sustentar as suas necessidades de recursos.”. Como tal, a associação salienta que “Portugal pode e deve aproveitar fundos europeus para reduzir a sua pegada ecológica”, uma vez que a “«dívida ambiental» portuguesa tem vindo a aumentar”.

A Pegada Ecológica assume o papel de “extrato bancário”, que “avalia as necessidades humanas de recursos renováveis e serviços essenciais”. Por isso, nós, enquanto seres individuais, podemos proceder a algumas práticas mais sustentáveis, que visam a redução da Pegada Ecológica, sendo algumas: a redução do consumo da proteína animal; a reutilização, seja de objetos ou vestuário; ou a substituição do transporte individual, pelo transporte coletivo (se possível).

Mais informações no site da ZERO.

(Imagem: ZERO)